Código: 836

Cidade Tiradentes e COHAB

Bookmark and Share

Referência: 9788579391859


De R$ 48,00
Por:
R$ 39,36
Economize  R$ 8,64

ou 3x sem Tarifa de R$ 13,12
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Isto aqui parece algo como Machu Picchu, uma cidade perdida na selva”. Estas palavras são de Arnaldo Madeira, em 1983, então secretário da Habitação e Desenvolvimento Urbano de São Paulo, em visita ao Conjunto Habitacional Santa Etelvina, localizado na atual Cidade Tiradentes, referindo-se ao isolamento da área e à ausência de infraestrutura de transporte naquela região. Essa carência, entretanto, não se restringia apenas ao transporte, desdobrando- se para a falta de moradias, hospitais, escolas, cultura, lazer, saneamento e segurança.

 

Situada na extremidade da zona leste paulistana, a Cidade Tiradentes surgiu como fruto de uma intervenção no espaço da cidade, que vinha sendo delineada pelo poder público, juntamente com a Cohab desde meados de 1960 e que tinha por objetivo criar moradias para o setor da população de baixa renda. Tratava-se de uma política oficial de planejamento urbano sistemático, com o objetivo de racionalizar a ocupação dos espaços da cidade, esta que passava novamente por intenso crescimento demográfico devido à forte corrente de migração interna, especialmente a nordestina.

 

Apoiando-se em suportes teóricos e em fontes, a autora convida o leitor a apreender o sentido dos discursos e iniciativas do Estado durante o regime militar, cuja política interpretava a integração nacional sob o prisma do desenvolvimento econômico e técnico aliado ao capital internacional, estabelecendo uma íntima relação com a necessidade de apoiar o projeto industrial de São Paulo. Esta política não pode ser vista senão acoplada ao forte empenho de exclusão, protagonizado pela elite paulistana. Simone constata que, apesar da limpeza espacial e social da cidade, a população não recebe passivamente as diretrizes oficiais, mas realiza suas próprias experiências, constrói seus modos de existência e reelabora espaços, tudo isso à margem dos objetivos do poder público. São sujeitos ativos, verdadeiros protagonistas que recriam suas próprias vidas.

 

Profa. Dra. Mariza Romero

 

 

Sobre a autora: Simone Lucena Cordeiro, historiadora fez mestrado e doutorado na PUC-SP, desenvolvendo sua pesquisa sobre a trajetória da moradia popular na periferia da cidade de São Paulo. É membro da equipe técnica do Centro de Acervo Permanente do Arquivo Público do Estado de São Paulo e autora de artigos e livros sobre transformações socioculturais, urbanização e relações entre espaço e sociedade.

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características