Código: 270

O Tigre em casa e A caça do tigre

Bookmark and Share

Referência: 978-85-7939-083-8


Por:
R$ 44,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 14,67
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

O Tigre em casa e A caça do tigre                                                                          Uma antologia poética

Eduardo Lizalde, nascido em 1929, é um dos grandes poetas mexicanos do século XX. Recentemente, em uma pesquisa, foi apontado como o melhor poeta mexicano vivo, tendo recebido o Prêmio Iberoamericano de Poesia Ramón López Velarde, entre outros. Segundo Octavio Paz, Lizalde mudou o cenário poético mexicano com “seu olhar-bisturi cirúrgico, olhar de moralista, olhar apaixonado”, e cada um de seus livros, “cada vez com maior precisão e limpeza não isenta de piedosa ironia, é uma operação sobre o corpo da realidade.” Em sua longa trajetória, Lizalde progressivamente amadureceu sua poesia, concebendo diferentes ideias e expressando diferentes emoções, não raro com grande originalidade e profundidade.

O livro de Lizalde que realmente chamou a atenção do público foi O tigre em casa, de 1970. Nesse livro, considerado um dos melhores da poesia mexicana, no qual o desespero e a tristeza nas relações amorosas são evidentes, a linguagem lizaldeana ganha a força, precisão e clareza que lhe são peculiares.

É impossível não sentir a grandeza da descrição do tigre, animal plástico que representa o ser humano em suas várias facetas e relações; é impossível não reconhecer o impacto de seus poemas sobre o ódio, ódio que constitui a única prova da existência de alguma coisa; é impossível permanecer impassível diante da mordacidade da série de poemas “Lamentação por uma cadela”.

Os poemas escritos a partir de 1970 (em A raposa enferma, Caça maior, Outros, Tabernários e eróticos, Bitácora do sedentário) aperfeiçoam seu estilo inconfundível e garantem o lugar de destaque que o poeta ocupa no cenário poético de seu país. Sua escrita clara e vigorosa, sua linguagem precisa e irônica, suas constantes referências às cantinas tradicionais e populares, à vida cotidiana e difícil, ao corpo delicioso e decadente, ao sexo e ao amor sem ilusões, suas contundentes críticas à ideia de revolução colocam a sua obra na contra-mão da poesia mexicana. Sinceridade, franqueza e honestidade são marcas da poesia lizaldeana, a qual recusa qualquer hipocrisia.

 

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características