Código: 640

REPERTÓRIO, OPUS 5

Bookmark and Share

Referência: 9788577510825


De R$ 20,00
Por:
R$ 16,40
Economize  R$ 3,60

ou 3x sem Tarifa de R$ 5,47
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

REPERTÓRIO OPUS 5
O.C. Louzada Filho
ISBN 978-85-7751-082-5
80 páginas

Seria fácil afirmar que o arquiteto havia transado com a moça perante a amiga, que a amiga e a moça talvez namorassem, que um deles em seguida matou o outro. Assim se inicia esta novela através da fala de um narrador que logo situa o que irá se passar afirmando que isso não seria verdade se assim narrado.

O que se passa conforme nos é contado é a celebração por uma noite da relação entre o arquiteto, a moça e a amiga, no espaço restrito de uma casa onde eles se reúnem carregando os traços do universo das redações de jornal, dos bares onde se encontram, do mundo da prancheta e do projeto, tendo os três uma preocupação comum com o curso da história e o empenho em influir no seu desenrolar. A noite vivida pelo trio convoca um heterogêneo repertório musical (do rock à Sinfonia Fantástica de Berlioz) e cultural (da revista Playboy à História da Loucura de Michel Foucault).

Mas uma presença os atormenta. Do mundo lá fora uma ameaça difusa espreita: um ladrão? os outros? Esse mistério é que a novela procura desvendar. E, construindo-se como uma encenação, ela elenca na sua primeira página os personagens que a compõem, acrescentando ao trio a presença dos Figurantes.

O papel do narrador é o desvendamento dessa presença que apenas se manifesta de soslaio diante desse pequeno mundo. Figurantes são um pivete, um travesti, uma prostituta, um solitário vigia noturno: eles surgem como a face dos excluídos que vivem lá fora, no grande mundo perante o qual o empenho dos personagens desejaria se manifestar enquanto eles permanecem no pequeno mundo cheio de desejo, prazer, temor e aspirações, e no qual convivem através da coreografia que praticam. O papel silente e predominante porém reside nas orlas do ambiente noturno da balada vivida pelos três personagens principais.

O livro de O. C. Louzada Filho foi publicado originalmente em 1982. Mas as questões que apresenta permanecem atuais, até no divórcio entre os dois universos que ele retrata.

Sobre o Autor

O. C. Louzada Filho nasceu em 1943, em São Paulo. Cursou engenharia civil e eletrotécnica. Foi professor da Faculdade de Artes Plásticas e Comunicações da FAAP (1969-1973). Foi correspondente colaborador do Jornal da Tarde para assuntos culturais em Paris (1973).

Publicou diversas matérias sobre TV e vídeo profissional nas revistas Tela Viva e PayTV na década de 90.
Em 1959 iniciou a publicação de trabalhos de crítica literária e ensaios no “Suplemento Literário” de O Estado de S. Paulo, colaboração que perdurou até 1974. Em 1962 recebeu o Prêmio Estímulo de ensaios da Comissão Estadual de Literatura pelo trabalho Uma topografia do absurdo (sobre a obra de Albert Camus) e em 1963 menção honrosa do Prêmio Governador do Estado pelo romance A terra e o sangue, não publicado. Colaborou com crítica literária e ensaios em diversos periódicos (Folha Ilustrada, Caderno 2, Cultura-OESP, Ideias-JB, Leia Livros, entre outros) e revistas de cultura (Encontros com a Civilização Brasileira, Tempo Brasileiro, Almanaque, Arte em Revista, Ficções, entre outras).

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características