Código: 394

VARIAÇÕES SOB A MESMA LUZ - Machado de Assis repensado

Bookmark and Share

Referência: 978-85-7751-07


Por:
R$ 69,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 23,00
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Este livro, como seu título anuncia, investe na originalidade e diferenciação para reinterpretar a obra de Machado de Assis. Conhecedora da ampla, rica e variada tradição da crítica machadiana, desde os contemporâneos do grande escritor até a nossa atualidade, a autora percorre os grandes temas, assuntos e problemas postos e em andamento para reler e não poucas vezes desler o que veio, de longe ou de mais perto, e anda por aí.

Por exemplo: recuperar uma arte poética formulada por Machado em diversos textos críticos (sobre literatura, teatro etc.) e conferir, a partir daí, o que ele fez e ultrapassou seu meio e seu tempo. Nesse espectro, pelo menos dois grandes movimentos de revisão estão em cena: a) seria Machado, de fato, um escritor realista? Segundo quais critérios ou categorias estéticas de realismo seria possível afirmar um “realismo” machadiano, mesmo “mitigado”? b) o que comprovaria uma espécie de “verdade assentada”, quase um chavão ou estereótipo crítico, segundo o qual Machado é um pessimista? Não estaria aí embutida na repetição cansativa e sem melhor análise uma mera falácia crítica, cujo exame detalhado desmente?

Em andamento semelhante, a partir do exame interno das implicações da célebre Caixa de Pandora, chave para interpretação do capítulo do “Delírio”, das Memórias póstumas de Brás Cubas, a autora busca uma caracterização original das relações entre cultura e natureza no romance machadiano, com repercussões fundamentais na “teoria do Humanitismo” de Quincas Borba, tanto nas Memórias póstumas quanto naquele romance homônimo, e, quem sabe, também nos romances posteriores.

Ao mesmo tempo, sem escorregar na noção universalista e trans-histórica de gênero literário, a autora examina minuciosamente a tradição da sátira menipeia em variados autores europeus, desde o século dezesseis, analisando-os e interpretando-os, a demonstrar a familiaridade e os diálogos machadianos com esses autores e essa tradição.

No quarto capítulo deste livro desafiador, Élide Valarini debruça-se sobre Dom Casmurro para pôr em questão o viciado problema do narrador não confiável, ou, alternativamente, como está discutido, “subjetivo mas confiável”. É uma bela, rica e complexa discussão.

Finalmente, no quinto capítulo é retomada uma renovada reavaliação da poesia de Machado de Assis, seus diversos e contraditórios processos, o lírico, o elegíaco, o indianista, o histórico, o paródico etc. e, ainda, o lugar da poesia machadiana em nossos tempos atuais.

O leitor vê, assim, que tem em mãos um grande livro atual, atualíssimo (como diria José Dias...), sobre Machado de Assis, que desafia e provoca.

Valentim Facioli

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características