Código: 238

Bolívia: Democracia e Revolução

Bookmark and Share

Referência: 978-85-7939-042-5


De R$ 50,00
Por:
R$ 40,00
Economize  R$ 10,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 13,33
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Bolívia: Democracia e Revolução

A comuna de La Paz de 1971

 

 Em 1964 um golpe apoiado pelos EUA leva os militares ao poder na Bolívia. O movimento não tarda a perseguir lideranças populares, demitir trabalhadores, rebaixar salários e perpetrar massacres. Sob o governo do general René Barrientos, em 1967, Che Guevara é capturado e executado.

Um acidente aéreo mata Barrientos em abril de 1969. Em setembro, outro golpe leva à presidência o general Alfredo Ovando Candia, que inicia uma distensão, permitindo a rápida reorganização do movimento operário. Em 1970, o militar nacionalista Juan José Torres toma o poder, acelerando a abertura política e a mobilização dos trabalhadores.

A Bolívia conhece, então, uma das mais profundas experiências de democracia direta do século XX, a Assembleia Popular. Durante alguns meses de 1971, sindicalistas operários e camponeses, estudantes e militantes de esquerda debatem novas formas de organização e de intervenção na sociedade. Comunistas, trotskistas, maoístas e nacionalistas deliberam sobre controle operário da produção, formas de representação popular e modos de proteger o novo poder em gestação, entre muitos outros temas.

Torres recusa-se a armar os revolucionários, que tentam resistir, mas são vencidos pelo golpe do coronel Hugo Bánzer, apoiado pelos governos do Brasil e dos EUA.

Não é por acaso que pouco conhecemos esta história no Brasil. A rigor, ela nem precisou ser apagada da nossa memória, pois a censura direta ou indireta tratou de manter essa experiência radical distante da nossa vida política. Para além disto, até os anos 1990, pouco se estudava no Brasil sobre a Bolívia.

O livro de Everaldo de Oliveira Andrade tem justamente essa força, a de revelar não só o dia-a-dia e os documentos produzidos no calor da hora pelas forças que disputavam a liderança da Assembleia, como também a história que permitiu o surgimento dessa experiência pioneira na América Latina, que buscou nos sovietes russos e na Comuna de Paris as referências para construir um poder popular.

 

Sobre o autor: Everaldo de Oliveira Andrade é mestre e doutor pela Universidade de São Paulo, professor de História da América e diretor do curso de história da Universidade Guarulhos.

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características