Código: 1136

ÉTICA, ESTÉTICA E POLÍTICAS DO TESTEMUNHO

Bookmark and Share

Referência: 978-85-7751-117-4


Por:
R$ 60,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 20,00
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Os ensaios críticos reunidos nesta coletânea abordam um conjunto de escritores e escritoras que, entre os séculos XX e XXI, publicaram obras nas quais os problemas ligados à representação da violência, dos traumas pessoais e históricos, da memória e do autoritarismo estão incorporados como tema e impactam decisivamente sua forma de expressão artística. Armando Freitas Filho, Primo Levi, Wislawa Szymborska, Hilda Hilst, Ana Cristina César, Caio Fernando Abreu e Osman Lins são apenas alguns dos escritores examinados neste livro, porém já suficientes para indicar a diversidade de estilos abarcados por estas reflexões. 

O que confere unidade aos quatorze capítulos do livro é o olhar atento para a função testemunhal da literatura. Ora como categoria central de análise, ora latente no horizonte analítico das discussões, o testemunho evidencia os trânsitos conflituosos entre a literatura, a história, a filosofia, a linguística e o direito. Sua presença coloca no centro do debate intelectual os compromissos firmados pela arte e/ou em nome da arte, confrontando-se com as promessas históricas não cumpridas e ecoando seu desejo renitente de resistir à barbárie. Parte dos trabalhos se concentra naquela situação paradoxal, que talvez só possa ser verdadeiramente colocada no campo da arte, na qual a irrecusável responsabilidade de lembrar o horror vivido se tensiona e se completa num árduo desejo de esquecimento. Lembrar para que o horror não se repita; esquecer para que haja um chão novo para se recomeçar. 

Se a representação terrificante da violência e das guerras é tão antiga quanto a própria poesia – como bem comprovam Homero e as tragédias gregas – não restam muitas dúvidas de que as sucessivas crises geradas pela modernidade elevaram a um novo patamar de sofisticação o ato de matar ou deformar a dignidade humana, tendo o seu corolário nas grandes guerras do século XX. Essa reordenação da violência impacta com igual força as grandes questões públicas e a rotina da vida privada, exigindo da arte disposta a compreender esse processo novas respostas éticas e estéticas a tal recrudescimento histórico. Uma heterogênea amostragem dessas respostas são pensadas, a partir de diferentes enfoques, ao longo deste livro.

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características